Vira'o'Disco e Disc'Over Lisboa representam Portugal no EUCR-S X em Versalhes

eucr

Na famosa Versalhes decide-se este fim de semana, dias 26 e 27 de agosto, o apuramento para as finais do Europeu de ultimate de relva, equipas mistas.

Entre as 12 equipas participantes da região sul do EUCR estão duas portuguesas: Vira'o'Disco, de Palmela, e Disc'Over Lisboa, que fazem desde já história - é a primeira vez que Portugal apresenta duas formações na competição europeia para clubes. 

Em Versalhes, os portugueses vão defrontar adversários de Espanha, França, Itália e Suíça.

Tanto Disc'Over como, sobretudo, Vira'o'Disco chegam a França com limitações, o que condiciona as ambições no que toca a chegar aos três lugares que dão direito ao apuramento. Mas prometem dar sempre o máximo!

Para os campeões nacionais de relva, que viajam de Palmela, a presença em Versalhes "é um prémio para os jogadores e treinadores, por todo o trabalho desenvolvido nos treinos".

David Lemos, jogador e representante da equipa, nota também que esta "é uma ótima oportunidade para os VOD competirem contra equipas e jogadores que não conhecemos, sendo uma excelente e rápida forma de evolução para todos aqueles que irão disputar estes jogos".

O EUCR-S X surge assim como uma oportunidade valiosa para jogar fora do território nacional. "Só dessa forma podemos fazer crescer o nível competitivo em Portugal”.

Já para os Disc'Over, estar no Europeu "é o resultado de um grande trabalho de uma equipa que quis investir no desenvolvimento do desporto e da competição, sem esquecer o espírito que nos trouxe até aqui".

Quando Nelson Belém, jogador e dirigente da equipa de Lisboa, refere o espírito, significa "o cultivar do gosto do ‘jogar com prazer’, o ‘modus operandi’ que fez crescer os Disc’Over Lisboa. Quando se fala um trabalho intenso, quero salientar o envolvimento de toda a equipa: desde a direção e treinadores, aos jogadores, que para além das nossas atividades, ainda foram competir fora de Portugal a outros torneios, tirar cursos de treinadores ou que ajudaram logisticamente fosse com tempo, presença e trabalho”. 

E o que esperar das equipas nacionais no EUCR-S X?

Tanto David Lemos como Nelson Belém são realistas: 

"Devido a várias lesões e problemas de outra natureza, os VOD vão participar com um 'roster' muito pequeno, de apenas 10 atletas, o que, tendo em conta ser um torneio em relva (7x7), é bastante curto", admite David Lemos.

Por isso, "as nossas expectativas são de que os jogadores que irão competir consigam divertir-se, evoluir e sair do torneio com espírito de dever cumprido. Esta experiência irá com toda a certeza refletir-se no jogo de cada um, aumentando o nível dos atletas”.

Já para os Disc'Over, o objetivo é "dar a melhor disputa a qualquer adversário e, se possível, vencer".

"Não temos ilusões e sabemos que as nossas hipóteses não são altas. No entanto, tudo é possível. Os Disc’Over Lisboa têm menos de 2 anos de existência como equipa de competição. Para este torneio vamos levar apenas 4 jogadores que jogam há mais tempo. Os restantes 12 jogam há 3 anos ou menos tempo. Mais de metade da equipa já anda perto ou na casa dos 30 anos e até há mais velhos. Sabemos que vamos competir com equipas que jogam juntas há mais tempo e com atletas mais jovens", afirma Nelson Belém.

Contudo, e também por isso, estar em Versalhes é, por si só, uma vitória: 

"Para uma equipa de Ultimate, esta é a competição máxima entre os clubes europeus, era o nosso 'ouro' e desde sempre o nosso objetivo. Para tal, trabalhamos muito como equipa e individualmente como jogadores".

Apesar do favoritismo estar do outro lado, "não vamos deixar de lutar, fazendo com que as outras equipas nos deem o seu melhor jogo".

"Estamos fisicamente e psicologicamente preparados e nada ficou por ensaiar ou treinar! Se ganharmos esta etapa, temos a noção que poderá ser ótimo para a divulgação e para o desenvolvimento do desporto em Portugal”, sublinha Nelson Belém.

Calendário e outras informações no evento do EUCR-S X no Facebook.