Carta aberta da presidente da APUDD

logopt
Caros membros da Selecção Nacional de Beach Ultimate,

Dirijo-me a vós, na qualidade de Presidente da Associação Portuguesa de Ultimate e Desportos de Disco, e em nome de todos os associados, para saudar a Selecção Nacional de Beach Ultimate, na conquista do 4º lugar como equipa da divisão Mixed, no Campeonato Mundial de Beach Ultimate, que teve lugar no Dubai nos passados dias de 8 a 13 de Março.

Este resultado alcançado constitui exemplo da maior importância de esforço, espírito e de equipa, acreditando nas capacidade de cada um de vós, dignificando a nossa Associação e o Desporto português.

A vossa incrível prestação ajuda-nos a pôr uma vez mais Portugal no circuito mundial de Beach Ultimate garantindo o nosso crescimento e desempenho, não só no circuito mundial, como também abrindo novos horizontes de conquista para a modalidade em Portugal.

Mais uma vez apresentamos os nossos parabéns, que partilhamos com todos os envolvidos na mais recente conquista, ao elevarem e prestigiarem a modalidade e o nome de Portugal no estrangeiro.

Vamos Portugal, estamos juntos!

Sara Marques
Presidente da APUDD

Posted in Ultimate Frisbee, WCBU | Leave a comment

Portugal é a quarta melhor seleção mista do mundo!

POR-MIX

O Dubai vai ficar na história do ultimate nacional: Portugal foi quarto no Mundial dos Emirados Árabes Unidos, resultado extremamente positivo para uma seleção formada a partir do universo dos cem atletas filiados na APUDD e que brilhou bem alto na divisão Mixed.

Entre os 18 países que disputaram a competição para equipas mistas, Portugal atingiu o objetivo que tinha traçado para o Mundial: chegar aos quartos de final.

Na primeira fase, Portugal esteve brilhante, vencendo 6 jogos e garantindo o segundo lugar no grupo, apenas atrás dos Estados Unidos da América, com quem perdeu nessa fase. A outra derrota surgiu frente à Rússia.

Nos quartos de final, Portugal derrotou as Filipinas e garantiu a passagem às semi-finais. Aí, em condições particularmente adversas, devido ao vento bastante forte que marcou os últimos dias da competição, a seleção foi eliminada pela Alemanha, que viria a sagrar-se campeã do Mundo Mixed.

No jogo para decisão do terceiro lugar, os Estados Unidos da América derrotaram Portugal, que somou mais um quarto lugar para o currículo nacional no ultimate – é a quarta vez que Portugal termina na quarta posição nos últimos europeus e mundiais disputados.

Nota de grande destaque para a classificação MVP, com David Pimenta a classificar-se em terceiro lugar no somatório de pontos e assistências. O jogador, que em Portugal compete pelos UFA, foi o melhor marcador em Mixed, com 32 pontos, assistindo os seus companheiros sete vezes. Sebastien Lacroix, dos Gambozinos, foi o terceiro melhor nas assistências, com 23 passes para ponto.

Resultados 
Pool A
PortugalSuíça 11-8
Portugal - Emirados Árabes Unidos 13-1
IrlandaPortugal 12-13
PortugalJapão 8-6
PortugalEslováquia 11-8
Portugal
Estados Unidos da América 12-7
AustráliaPortugal 5-11
Portugal
Rússia 9-12 (vídeo)

Quartos de final
Portugal
Filipinas 9-6

Semi-final
AlemanhaPortugal 3-6

3º/4º
Estados Unidos da AméricaPortugal 11-5

 

Portugal – Rússia:

Posted in Ultimate Frisbee, WCBU | Leave a comment

Pedro Vargas: “Esta é a equipa portuguesa melhor preparada e mais competitiva de sempre”

DSCN4390

O selecionador e capitão da selecção mista portuguesa faz o balanço dos últimos meses de preparação e antecipa a participação de Portugal no Mundial do Dubai, entre os dias 8 e 13 de março.

Qual o balanço destes meses de preparação da equipa mista de Portugal?
É um balanço muito positivo. Este período de preparação durou sensivelmente dez meses, mas, na realidade, concentrou-se fundamentalmente neste último meio ano. Houve um crescimento evidente de qualidade individual de praticamente todos os elementos que foram seleccionados para esta equipa. Não só isso mas também a construção e integração de um modelo de jogo ao qual os jogadores, apesar de alguma dificuldade ao início, se ajustaram. De uma forma geral, creio que o grande objectivo desta preparação foi atingido: proporcionar a este grupo a oportunidade de crescer tanto a nível desportivo mas também a nível pessoal. Sinto claramente que neste momento Portugal tem pelo menos 15 jogadores mais fortes do que o que tinha há dez meses e espero sinceramente que estes tenham a capacidade de transmitir ao seus colegas de clube tudo aquilo que apreenderam durante este período. Se assim for, teremos não só desenvolvimento ao nível da selecção mas também ao nível dos clubes.

Com que expectativas parte Portugal para o Dubai? Mudaram relativamente ao início desta preparação?
As expectativas são sensivelmente as mesmas que definimos em Setembro. Primeiro, construir uma equipa e fomentar o crescimento dos jogadores, o que, na minha óptica, já foi alcançado, mas queremos potenciar isso ainda durante o torneio. Segundo, competir de igual para igual com as melhores selecções do mundo, tendo como objectivo concreto chegar aos quartos de final do campeonato. Pode parecer estranho, conhecendo o que nos precede em termos históricos, com três semi-finais consecutivas em campeonatos da Europa e do Mundo, mas a verdade é que apesar de esta ser sem dúvida a equipa portuguesa melhor preparada e mais competitiva de sempre, também é verdade que a concorrência não fica atrás. Realisticamente, partimos para esta competição com a noção clara que, independentemente do nível de jogo que pratiquemos, poderemos facilmente lutar por uma medalha ou, ao mesmo tempo, nem passar do meio da tabela. Tudo se vai decidir em detalhes.

Qual a importância das vitórias da selecção nos torneios de Monte Gordo e MOW, frente à Alemanha?
Pessoalmente não valorizo muito esses resultados. Foram bons jogos, acima de tudo para avaliar o trabalho feito e o que ainda seria necessário trabalhar. E apesar de estarmos a falar dos vice-campeões do mundo em título e terceiros classificados nos últimos Europeus, fiquei com a clara sensação que em nenhum dos jogos jogámos o nosso melhor. Obviamente que terminar esta preparação tendo vencido dois torneios, jogando de forma consistente contra adversários directos, e mesmo quando não jogámos ao nosso nível, termos conseguido vencer, dá-nos alguma confiança para enfrentar o Campeonato do Mundo. No entanto, estamos cientes que estas vitórias nada representam, e que no Dubai estaremos dependentes acima de tudo de nós e da qualidade de jogo que consigamos produzir.

O que esperar dos nossos adversários no Mundial? 
Pelo que dei a entender, perspectiva-se um campeonato muito dividido. Creio que para lá dos EUA, que todos esperam que esteja na final e que eventualmente vença, existe um conjunto de 9-10 equipas com capacidade de lutar por uma medalha. Para além de nós, teremos certamente o Canadá, a Suécia (actual campeã da Europa), Irlanda (vice-campeões da Europa), Alemanha, Filipinas, Austrália (terceiros classificados no último mundial, tendo vencido o jogo de atribuição da medalha contra Portugal), Holanda, Japão e Rússia como legítimos concorrentes a uma medalha.

Até que ponto esta participação pode ser importante, para da participação em si num mundial, para o ultimate nacional?
Reforço o que disse antes. Basicamente, conseguimos potenciar o crescimento de uma fatia importante de jogadores nacionais. Para além do valor e conhecimento que se espera que estes jogadores emprestem às suas equipas de origem, no final deste ciclo espera-se tambem que o sucesso e evolução destes jogadores sirva de inspiração para outros se dedicarem ao treino de forma tão abnegada como este grupo fez. Simultaneamente, este projecto envolveu numa fase inicial a realização de uma série de eventos de treino e aprendizagem, que para além de visarem a posterior selecção do grupo de atletas final, possibilitou também a exposição de um grupo alargado de indivíduos a uma série de conceitos e actividades de treino, que esperamos tenham sido significativas para o crescimento global dos jogadores a nível nacional. Finalmente, seria importante que a modalidade saísse reforçada deste mundial e claro que isso depende do resultado desportivo. No entanto, acima de tudo seria importante que este evento fosse encarado como uma oportunidade de, através dos diferentes canais de comunicação, se conseguir chegar com visibilidade a uma fatia maior da população portuguesa e assim potenciar o crescimento da modalidade no nosso país

Posted in Ultimate Frisbee, WCBU | Leave a comment

Abertas inscrições para CastleCrow2015 em Leiria

Estão abertas as inscrições para o CastleCrow2015 – 2º Torneio Internacional de Ultimate de Relva, que se realiza dias 30 e 31 de maio em Leiria.

O torneio, destinado a equipas mistas, atribui o título nacional de relva e é uma organização dos Leiria Flying Objects e da APUDD.

Informações e inscrições para o e-mail castlecrow2015@gmail.com.

Posted in LFO, Ultimate Frisbee | Leave a comment

Os jogos de Portugal no WCBU2015

É já conhecido o calendário de jogos de Portugal no Mundial do Dubai.

A equipa nacional mista vai defrontar a Suíça na estreia na competição e ainda os Emiratos Árabes Unidos, Irlanda, Japão, Eslováquia, Estados Unidos da América, Austrália e Rússia (este jogo será transmitido em direto em http://live.wcbu2015.org).

Jogos de Portugal:

Dia 9 de março
9 horas (5 horas em PT): Portugal – Suíça
13 horas (9 horas em PT: Portugal – Emiratos Árabes Unidos
16 horas (12 horas em PT): Irlanda - Portugal

Dia 10 de março
13 horas (9 horas em PT): Portugal – Japão
17 horas (13 horas em PT): Portugal – Eslováquia

Dia 11 de março
9 horas ( 5 horas em PT): Portugal – Estados Unidos da América
12 horas (8 horas em PT): Austrália - Portugal
15 horas (11 horas em PT): 
Portugal – Rússia

Quadro completo de jogos:

1606906_382664261915471_1814255563644420216_n

Mais informações: http://www.wcbu2015.org e https://www.facebook.com/wcbu2015

Posted in WCBU | Leave a comment